XANALESSONS // IT'S INSTAPERFECT. SO WHAT?

domingo, abril 03, 2016


Nos últimos meses deu-se um certo "boom" de artigos e opinião (e estados no Facebook e afins, claro) sobre toda a suposta pressão do Instagram sobre a vida perfeita que por lá é "imposta". A conversa, na verdade, não é de hoje, mas sinto que ultimamente atingiu proporções que, a meu ver, já passaram o disparate.

Nas últimas semanas li três artigos (todos brasileiros), que me deixaram a pensar em todo isto:
- Um afirma que seguir "blogueiras" pode fazer mal à saúde. Isto porque, ainda nem acordámos como deve de ser, já uma blogueira fez "120 mil coisas" perfeitas e super saudáveis.
- Outro cria algo a que chama o "efeito Pugliesi" e como fomos "nós" que o criámos. O que é este "efeito"? Supostamente só a segue atentamente quem sofre de solidão. (ok, isto é um resumo algo ingrato para um texto que aborda alguns pontos muito certos. Mas, de repente, a culpa é toda da Pugliesi e restantes instagramers).
- O terceiro conta-nos a diferença entre ter uma vida e um lifestyle. E que parece que as pessoas estão a acordar para o facto do lifestyle comunicado pelas bloggers/instagramers/influencers que nós seguimos há anos ser... Moldado. E que preferem muito mais ver "vida real".

Como disse no ponto dois, resumi (talvez um pouco ingratamente) demasiado os textos, todos abordam pontos válidos e têm uma "certa razão" em alguns deles. Mas.. Sério??

Desde que os tempos são tempos que olhamos para revistas de moda e "cor-de-rosa", rádio, televisão, cinema, redes sociais, blogs, .... You name it, como inspiração. Sempre!! Quem é que abre a secção de entrevistas da Caras e acredita que aquelas casas estão sempre assim, tão arrumadas, brilhantes e arranjadas? Quem é que acredita que todos os pequenos-almoços em família são realmente como os que vemos nas novelas brasileiras?? Quem acredita que uma pessoa sai à rua com as roupas que usa num editorial? GOD!!! É isso a inspiração!!

Por muito que não acreditemos que as casas da Caras estão SEMPRE assim, se calhar olhámos à volta e ficámos inspiradas a mudar a decoração ou a arrumação da nossa casa. Por muito que os pequenos-almoços das novelas sejam um sonho que apenas provamos quando estamos de férias em hotéis, se calhar aos fins-de-semana já fizemos um esforço para comer algo mais "elaborado", algures na nossa varanda ou terraço, ou até mesmo na cama. 

Se calhar, olhamos para o nosso feed de Instagram, vemos as bloggers (ou lifestylers, ou instagramers, ou lá o que quiserem chamar-lhes!!!) a comer "clean" ou a correr às 7h da manhã todos os dias, ou a mostrar os seus conjuntos de running e pensamos: devia comer melhor; talvez fosse bom voltar a correr; se calhar posso ir ao ginásio mais "arranjadinha". Eu falo por mim: é o que me acontece!! E agradeço a todas essas pessoas por "me esfregarem na cara" saúde e bem-estar numa base diária.
Ver pessoas a acordar em cima da hora com ramelas na cara. Well... Essa parte acho que não me ajudaria em nada. Ainda bem que há pessoas que conseguem transformar as suas contas de Instagram em algo rentável: merecem. Merecem viajar e mostrar como viajam. Ir às Semanas da Moda e mostrarem-nos tudo pelo Snapchat. Usar em "primeira mão" aquela mala de sonho ou aqueles sapatos fantásticos e lançarem a febre. Sempre existiram estas pessoas - agora ainda mais. So what?! Não entendo como é que isto pode prejudicar a vida de alguém! Não gostam? Unfollow!!

Lamento, mas sou bem resolvida. Sei distinguir o que é a minha vida, a minha realidade, e o que está no Instagram. E não tenho problemas NENHUNS com isso. Exageros? Cabeças ocas? Sempre existiram. Parte de NÓS fazermos distinção. Parte de nós percebermos o que está ao nosso alcance e o que não está. Eu tenho a minha vida onde devo ter: offline! Partilho no Instagram fotos bonitas, outfits que acho estarem giros (#convencida), produtos e marcas que recomendo, sítios onde gostei de estar. Raramente o faço em real time. E isso deve ser qualquer coisa como 1% da minha vida. Felizmente! 

Quando falamos de "miúdas", o assunto muda um pouco. Mas, até aí, acho que devem ser os pais a ajudarem-nas a compreender o que é "normal" do que é "aspiracional". 


Agora, por favor, continuem com esta "vida de conto de fadas" no Instagram. Não estou preparada para fotografias que me deprimem!!



Links dos artigos:

You Might Also Like

2 comentários

  1. Excelente análise, Xana! Percebo o sururu à volta das expectativas irreais que se criam, é certo que há pessoas com uma personalidade mais "fraca" que talvez não percebam que tudo o que vemos nas redes sociais é filtrado, mas caramba. P*ara nos deprimir já chegam os problemas do dia-a-dia, não é preciso expo-los ao mundo também.

    Jiji

    ResponderEliminar
  2. Concordo plenamente com tudo o que escreveste Xana! Alguém tem a coragem de o dizer… ;) *C

    ResponderEliminar

Obrigado por comentarem!

PORTAL